Pensando Juntos

A Pauta do Amanhã

Antever cenários, identificar oportunidades, e apontar caminhos inovadores para gerar qualidade de vida, é a nossa missão

A primeira pergunta a fazer para nós mesmos é:
Eu estou aberto a ser manipulado?
Essa história de manipulação é  real ou apenas uma figura de retórica? 
 
Uma constatação: Qualquer um que disser que isso não  existe ou que é 100% capaz de evitar ser manipulado esta entrando em um terreno pantanoso.
 
O mundo já  fez várias experiências, algumas dramáticas, sobre o tema.
Intimidação muda seu comportamento e suas crenças.
Coerção muda essencialmente quem você é. 
 
Pense no tráfico ou milícias dominando uma comunidade.
 
Sinto lhe dizer que a mente humana pode sim, ser controlada / manipulada e ainda parecer, ou melhor dizendo, ser uma mente humana, mesmo dirigida não por “você”  mesmo.
 
Certa vez alguém, obviamente intencionalmente, rodou uma musica de Led Zepelin ao contrário e transcreveu como sendo uma oração ao diabo. O assunto ganhou o mundo. Pastores falando sobre satanás em código, cantado ao inverso, lotaram as igrejas.
 
População quebrando discos. Uma verdadeira corrida anti-satanás apoiada em uma narrativa bem elaborada.
Bastou que uma frase parecesse real para se acreditar em toda a estória. 
 
Quando questionado o autor da musica, ele respondeu: Já  é difícil escrever uma musica, imagine uma que de traz para frente diz outra coisa, e riu muito.
 
Toda a teoria de satanás por traz da letra inversa,  foi criada sobre uma narrativa bem elaborada, e ganhou adeptos e defensores ferrenhos pelo mundo todo.
 
Nosso cérebro identifica padrões e nossos neurônios “se manifestam”
 
Exemplo: Folhas se mexendo e pegadas no chão pode significar perigo.
Exatamente por isso nosso cérebro pode sim, ser manipulado.
 
Há camadas de aprendizados de padrões geracionais que permitem que isso aconteça no nosso cérebro, sem que percebamos.
 
Em 1950 soldados americanos que ficaram  presos pelo inimigo, quando  voltaram da guerra cantavam hinos do inimigo.
Outros nem voltaram.
Após a prisão, mudaram de lado. Foram reeducados pelo inimigo.
 
A china tinha um programa chamado reforma do pensamento, ou cérebro limpo. Educadamente tratavam como programa de reeducação. Hoje certamente estão mais evoluídos e efetivos com a ajuda da High Tech, vigilância em tempo real e Inteligência Artificial.
 
Pagar para um escritor, jornalista, ou cidadão letrado,  para escrever a favor do comunismo ou contra o comunismo, por exemplo, pode ser uma forma de reeducação, ou reforma do pensamento ou até  de de lavagem cerebral.
 
Com o passar do tempo essa prática  muda a identidade do “escritor”.
Isso vale para qualquer tema.
Capitalismo, Comunismo, Ditaduras, Vacinas, Tratamentos etc.
 
Imagine um sujeito contratado pare escrever contra e um outro contratado para escrever a favor tomando uma cerveja no boteco.
 
Um outro momento onde essa questão da lavagem cerebral voltou a ser tema foi quando jovens ricos e estudados de várias partes do mundo civilizado, passaram a se juntar ao Al-Qaeda e depois se juntar ao ISIS.
 
Um choque para Pais e Mães que viram seus filhos aderirem aos malucos dispostos a se explodirem levando dezenas ou centenas a morte, por uma “causa”.
Ou seja eles nao tinham uma causa? Não pertenciam a grupo nenhum?
 
Isso, a nível mental, se explica apoiado nos nossos valores sagrados.
Aqueles que você  daria a vida por eles.
Sua familia, seus filhos. Seu País.
 
Porém se você se sente desconectado desse grupo, você  pode se abrir para receber novos valores. Aos poucos você  pode mudar suas crenças.
 
Se um outro grupo te acolhe e você  se sente mais importante lá, você pode se deixar levar e agregar os novos valores e crenças.
 
Crenças são como promessas para o amanhã. Nada para hoje.
 
Apenas auto-promessas do tipo:
Creio fielmente que amanhã começo a dieta.
Creio que se eu não cobiçar a mulher do vizinho irei para o Céu.
 
Foram feitas experiências buscando radicais islâmicos (aqueles que matam gays e acreditam que quando morrem pela causa chegam ao Paraiso e recebem 70 virgens para desfrutar).
 
A ideia foi convencê-los a reexaminar seus próprios cérebros.
Exercícios foram feitos mais ou menos assim:
Quatro jogadores passando a bola um para o outro e de repente um dos jogadores era excluido. Os excluídos imediatamente se transformava em oposição ao grupo que o excluiu. Áreas do cérebro eram mapeadas em tomógrafos durante os jogos.
 
Quando a parte do cérebro destinada a reflexão se inflamava as atitudes mudavam para menos radicais.
 
Crenças estão diretamente ligadas ao sentimento de pertencimento.
Você acredita em algo pois quer pertencer a esse grupo pois acha que isso te ajudará a sobreviver. Simples assim.
 
Três fatores são sempre marcantes para manipular e levar as pessoas ao extremismo
 
1.  Senso de injustiça 
2. Necessidade de  Identidade 
3. Desejo de pertencimento 
 
Atacar a sociedade dizendo que esta tudo errado, se transformando em um revolucionário com poder de arbítrio é o passo inicial para o extremismo binário.
Mais ou menos está acontecendo isso em relação as vacinas contra o covid 19.
 
Um documentário anti-vacinas por exemplo foi desmentido após 8 milhões de pessoas terem assistido. Quantas dessas viram o desmentido? Isso gera uma desinformação em cadeia pois tendemos a acreditar no que ouvimos das pessoas nas quais confiamos. 
 
Isso gera polarização de fatos, ou partes de fatos, não  apenas de opiniões.
Pequenas verdades em meio a um discurso repleto de mentiras, faz dos defensores, leões pela “causa”. Se sentem fazendo justiça, pertencendo e identificados.
 
Quando a crença na midia, na ciência, nos governos e nas autoridades começa a ruir,  surgem os grupos extremistas, turbinados nesse momento pelas redes sociais, com teorias variadas, com milhares de adeptos sempre em busca de “justiça, identidade e pertencimento”.
 
Nesse momento a ideia do salvador da patria ganha corpo.
Cresce e muitas vezes vence. Porém esse salvador não  existe.
 
Uma nação sem um plano de longo prazo, não chegará nunca a lugar nenhum, independente de quem seja seu líder momentâneo. Plano de longo prazo.
 
Os likes da confirmação nas redes sociais podem estar ligados ao maior fator de manipulação ja identificado por estudiosos do assunto.
 
Divórcios e abandono dos amigos já estão acontecendo em massa.
Tudo por extremismos de pensamentos reformados pela polarização.
Ameaças crescem.
 
Essa desintegração social causa da pelo extremismo, interessa aos politicos.
Eles escolhem um discurso para determinado público-alvo  e colhem os seus votos.  
 
Quando as crenças são sagradas o cérebro não permite o debate de ideias.
A parte do cérebro destinada a auto reflexão pode ser estimuladas por amigos.
Porém se os amigos se foram, como pensar livremente ouvindo só as mesmas teorias?
 
A boa pergunta a ser sempre repetida, para nós mesmos, é :
O que me levou a me juntar a esse grupo de ideias?
 
Paulo Sergio Rosa, Jornalista, Consultor. 
NOV 2021

25 nov 2021 - jornalista@paulosergiorosa.com